logo paraiba total
logo paraiba total
Foto: Divulgação

Fernanda Ventura: “Na arquitetura, a biofilia traz calma e benefícios para saúde mental segundo a neurociência”

Arquiteta discute como a arquitetura do OMNI Medical Center em João Pessoa integra biofilia para promover bem-estar e recuperação

13 de junho de 2024

Especialista em arquitetura da saúde e uma das mentes por trás do que será o OMNI Medical Center, futuro centro médico em João Pessoa, Fernanda Ventura Fernanda, tem sido uma figura central na criação de espaços que não apenas curam, mas também promovem o bem-estar e recuperação dos pacientes. Em entrevista ao Paraíba Total, ela fala sobre como utilizar a arquitetura em uma abordagem que vai além dos limites físicos dos espaços de saúde convencionais.

O que é arquitetura para saúde? Quais são os principais objetivos ao se projetar ambientes hospitalares?

A arquitetura para a saúde em si já ultrapassou os muros de hospital. O OMNI Medical Center é um exemplo, pois será um espaço que pode ter hospital-dia, área de diagnóstico, clínicas médicas, e isso faz com que se trabalhe a prevenção e saúde, como fisioterapia e espaços saudáveis, fora a parte de residencial senior, focado na saúde. Além disso, será um ambiente seguro, com distrações positivas, que trarão possibilidades de cura mental e pessoal, e também de encorajamento. Caso a pessoa receba um diagnóstico negativo, que a arquitetura possa começar a tratar e acalmá-la. Além disso, haverá os fluxos para dar segurança que não haja infecções garantindo a segurança do paciente e do colaborador.

O OMNI foi totalmente planejado para estar em conformidade com as normas da Anvisa. Como foi o processo de garantir o cumprimento dessas normas de biossegurança e qual a importância disso para a segurança dos pacientes e profissionais?

O OMNI foi projetado para atender não apenas às normas da Anvisa, mas também às novas diretrizes em desenvolvimento. Isso inclui desde a largura dos corredores até áreas específicas para resíduos de saúde, o que garante um ambiente seguro e bem estruturado. Isso garante que quem vai investir em uma clínica no OMNI tenha a porta com o tamanho correto, banheiros PCDs, áreas reservadas para resíduos sólidos de saúde, DMLs, com os ambientes necessários a todos em área comum, o que garante a biossegurança.

Quais elementos os consultórios do OMNI Medical Center apresentarão que os diferenciam de outros espaços, como salas comerciais, por exemplo?

Os consultórios do OMNI vão se destacar por oferecer um ecossistema de saúde que traz resolutividade no qual é possível ir para vários médicos ao mesmo tempo. Um ambiente com distração positiva que é completamente diferente das salas comerciais, nas quais, muitas vezes, os médicos se apertam, e correm riscos. No OMNI, o espaço será preparado para receber o paciente, desde a recepção até a gestão, sabendo que estamos lidando com um usuário que precisa de atenção especial, um idoso, por exemplo. Temos que ter espaços que tenham esse nível de cordialidade desde a porta de entrada e o OMNI tem essa visão.

O OMNI traz conceitos de cura e contato com a natureza. Como eles foram incorporados no projeto arquitetônico e qual é o impacto esperado na recuperação dos pacientes?

Na arquitetura, a biofilia traz todas essas questões que a neurociência explica de acolhimento, de trazer calma e ter outros benefícios para a saúde mental. Isso incorporado traz um impacto muito positivo na recuperação e no cuidado do paciente. Por exemplo, caso um paciente não queira ir à fisioterapia, mas ao encontrar um espaço como esse faz com que ele não procrastine o tratamento, assim, o ecossistema funciona.

Outro traço marcante são os espaços de convivência tanto para sala de estar de médicos quanto salas de espera para pacientes. Qual foi a preocupação na hora de pensar nesses espaços? Há uma relação com a saúde mental também?

Os espaços de convivência foram projetados para oferecer não apenas funcionalidade, mas também conforto e acolhimento. Houve uma preocupação significativa com a saúde mental, garantindo que esses ambientes fossem projetados para reduzir o estresse e proporcionar um ambiente positivo tanto para os médicos quanto para os pacientes.

Você acredita que houve uma evolução no conceito de arquitetura da saúde ao longo do tempo? E o que é desospitalização?

Sim, definitivamente houve uma evolução significativa com o conceito de desospitalização, no qual só precisa acontecer no hospital o que é necessário, a alta complexidade. Esse movimento fez com que os ambulatórios saíssem dos hospitais, e como o OMNI será um empresarial médico, o hospital-dia, que tem procedimentos menos invasivos também saíram do hospital, dessa maneira o risco de infecção é muito menor, e possibilidade de recuperação do paciente de sair do ambiente hospitalar pesado é mais rápida. Quanto antes o paciente estiver em casa para sua recuperação é melhor, é um movimento que vem há algum tempo.

Como o OMNI Medical Center vai impactar o que se conhece de arquitetura hospitalar na região?

O OMNI Medical Center vai representar uma mudança paradigmática na arquitetura de saúde da região, oferecendo uma experiência completamente nova para pacientes e profissionais. Esse paciente não vai estar em empresariais nos quais são realizadas outras atividades e correndo riscos. Ao criar um ambiente integrado e focado na saúde integral, o OMNI não apenas elevará os padrões de infraestrutura, mas também vai redefinir a expectativa de como os espaços de saúde devem funcionar e interagir com seu entorno.

E para os profissionais, quais as vantagens de adquirir um espaço no OMNI Medical Center?

Estar num espaço como este vai possibilitar muitos negócios que são sustentáveis, inclusive a arquitetura foi pensada para trazer flexibilidade e possibilidades de expansão e adaptabilidade. O piso elevado, a forma como foi modulado, vai possibilitar o movimento, porque a arquitetura para a saúde é muito viva e dinâmica. Se os procedimentos evoluem é possível modificar as salas, não pode ser algo engessado. O sistema construtivo tem piso elevado, parede de gesso acartonado, forro removível e fora toda questão das normativas de renovação e qualidade do ar, e qualidade dos espaços e sistemas construtivos flexíveis pensados para o negócio. Investir num local assim será muito assertivo.

Fonte: Aléssia Guedes