logo paraiba total
logo paraiba total
Foto: Divulgação

Uber Moto: baixo custo amplia acessibilidade de usuários ao mercado de trabalho, diz pesquisa

Pesquisa FIPE mostrou que a modalidade beneficia aqueles com menores rendas e indica aumento no bem-estar econômico do público que utiliza a modalidade

11 de julho de 2024

A FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), em parceria com a Uber, realizou o estudo “Mais maneiras de se locomover: aumentando o acesso nas cidades brasileiras com o Uber Moto”, e constatou que a modalidade em duas rodas oferece uma opção de transporte de aplicativo com um custo mais baixo e amplia a acessibilidade dos usuários ao mercado de trabalho no ambiente urbano.

 

A pesquisa analisou dados das viagens realizadas de Uber Moto entre fevereiro e setembro de 2023 nas cidades de Fortaleza, Manaus e Rio de Janeiro, e estimou os benefícios econômicos da oferta de motos por aplicativo comparando as características das viagens com outros modais disponíveis para indivíduos sem acesso a um veículo próprio.

 

O custo e os tempos de espera e de deslocamento das viagens via Uber Moto foram comparados com os mesmos parâmetros de viagens equivalentes feitas via transporte público ou via viagens por app em veículos de quatro rodas. A partir disso, notou-se que o Uber Moto fornece uma opção de transporte com custo mais baixo e amplia a acessibilidade dos usuários às oportunidades econômicas no ambiente urbano, principalmente para quem vive em regiões periféricas e durante horários com baixa oferta de transporte público.

 

As viagens de Uber Moto oferecem uma opção de transporte eficiente a um custo mais acessível e o ganho de tempo do Uber Moto com relação ao transporte público decorre principalmente do menor tempo de espera:

  • Uber Moto: viagens duram em média 19 minutos e custam cerca de R$9,10.
  • Categorias de carro na Uber: duração total seria parecida, mas o valor seria 75% maior.
  • Transporte público: levaria três vezes mais tempo a um preço médio de R$4.85

Para Laura Lequain, gerente de operações da Uber, o amadurecimento da modalidade no Brasil criou novos jeitos de perceber o transporte de motocicletas intermediado pelo aplicativo. “Nós fomos os primeiros a lançar esse tipo de modalidade no país e, lá atrás, imaginávamos que Uber Moto seria utilizado principalmente para os chamados deslocamentos de primeira e última milha e que teria um uso concentrado em horários e locais específicos. Hoje, percebemos que Uber Moto é uma modalidade que tem diferentes tipos de casos de uso para diversos públicos, desde aqueles que movimentam para ações rotineiras, como ir e vir do trabalho, até os que pedem viagens de conexão com o transporte público”.

 

Uber Moto é um serviço distribuído e utilizado de forma mais democrática no espaço urbano.

 

Foi feita uma análise comparando a elasticidade de renda das viagens de Uber por veículos de quatro rodas e de Uber Moto, isso é, o quanto a renda dos moradores influencia na demanda por cada serviço. Essa análise demonstrou que as viagens de carro por aplicativo são reduzidas conforme a renda do bairro diminui. Em contrapartida, as viagens de Uber Moto são distribuídas de forma homogênea em toda a área urbana, independentemente do poder aquisitivo do bairro.

 

Quem recebe salários menores é mais beneficiado

 

Uma última análise do estudo mostrou também que a oferta de Uber Moto beneficia aqueles com menores rendas: os que têm até dois salários mínimos de renda são os que mais se favoreceram com a chegada do serviço. De forma simplificada, o benefício econômico é gerado pois o Uber Moto oferece uma alternativa de deslocamento urbano para acesso ao trabalho, compras, serviços de saúde e lazer entre outros a um custo reduzido.

 

Indivíduos de menor renda (que ganham até um salário mínimo) são os que ficam com 50,8% do benefício econômico gerado pelo uso de Uber Moto. Aqueles que ganham entre um e dois salários mínimos receberam 39,3% desses benefícios. Os restantes 9,9% dos benefícios foram para pessoas que ganham entre dois e cinco salários mínimos.

Fonte: Assessoria