logo paraiba total
logo paraiba total
Foto: Divulgação

Natura é a primeira empresa do Brasil a emitir debêntures atreladas a bioativos da Amazônia

Marca conclui financiamento envolvendo a Amazônia brasileira apoiado pelas instituições

11 de julho de 2024

Após anunciar o lançamento de sua 13ª emissão de debêntures no formato de sustainability-linked bonds (SLBs), no valor de R$ 1,32 bilhão, a Natura contou com investimentos da International Finance Corporation (IFC) e do BID Invest, braço do Banco Interamericano de Desenvolvimento voltado para o setor privado, que contribuíram com de R$ 300 milhões e R$ 200 milhões na operação, respectivamente.

 

Para Silvia Vilas Boas, vice-presidente de Finanças e Estratégia da Natura, a nova emissão é um avanço significativo para fortalecer a bioeconomia da Amazônia. Esse movimento é essencial não só para combater a crise climática, mas também para promover benefícios econômicos, sociais e ambientais substanciais para a região. “O Brasil tem um potencial imenso para liderar globalmente este modelo de negócios que harmoniza geração de renda com conservação ambiental”, afirma Silvia. Ela ressalta que um dos grandes desafios é valorizar e expandir as inúmeras pequenas cadeias produtivas, que são ricas em diversidade socioambiental e caracterizam a região amazônica. “Ampliar a bioeconomia é crucial, e para isso precisamos fortalecer todo o ecossistema envolvido. A emissão é uma ferramenta poderosa para nos ajudar a alcançar esse objetivo”, conclui a executiva.

 

Na estrutura do sustainability-linked bond, a companhia tem liberdade no uso dos recursos, mas se compromete com metas específicas de sustentabilidade. Um dos principais compromissos é o desenvolvimento de bioingredientes amazônicos, que já estão presentes em várias linhas de produtos, com destaque para a linha Ekos. Até agora, a empresa desenvolveu 44 bioingredientes, e o modelo de negócio que vem sendo implementado na Amazônia há 25 anos tem contribuído para a conservação de 2,2 milhões de hectares de floresta, em parceria com mais de 10 mil famílias locais. A meta é expandir para 49 bioingredientes até 2027.

 

“Ao desenvolver mais ativos originários da Amazônia e aumentar o uso de bioingredientes em nossos produtos, também ampliamos o número de famílias fornecedoras. Isso distribui mais renda e fomenta a economia local, enquanto ajuda a manter a floresta em pé. Formamos, assim, uma rede de impacto positivo que beneficia todos os envolvidos e contribui tanto para a preservação quanto para a regeneração da floresta.”, comenta Silvia.

 

 

A importância da parceria com a IFC e o BID Invest

 

Como investidor âncora desta operação, a IFC, braço do setor privado do Grupo Banco Mundial, mobilizou recursos adicionais para apoiar investimentos na Amazônia. Esta emissão ajudará a impulsionar a economia local e as comunidades e apoiará cadeias de fornecimento sustentáveis de sistemas agroflorestais, contribuindo com a bioeconomia amazônica. Além disso, o sustainability-linked bond ajudará a transformar a bioeconomia amazônica ao mesmo tempo que contribui para a preservação da floresta.

 

Já o BID Invest se juntou como investidor de impacto, promovendo mercados de capitais sustentáveis na região para gerar impacto social e econômico. Esta transação é apoiada pelo programa Amazônia Sempre, do Grupo BID, e contribuirá para a estratégia de sustentabilidade da Natura através de suas soluções baseadas na natureza para o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

 

“Estamos entusiasmados em fazer parceria com a Natura e ancorar a emissão do primeiro Sustainability-Linked Bond com metas de desempenho vinculadas ao fornecimento amazônico no Brasil,” disse Manuel Reyes-Retana, diretor regional da IFC para América do Sul. “Estamos confiantes de que o investimento da IFC ajudará a reforçar a produção de bioingredientes da Natura, destacando importantes iniciativas de fornecimento sustentável e contribuindo para a conservação da biodiversidade. Este é um caminho importante para conciliar a proteção da Amazônia com o desenvolvimento econômico,” acrescentou.

 

“Esta emissão demonstra o potencial dos Sustainability-Linked Bonds para remodelar toda a indústria de mercado de dívida sustentável e gerar maior impacto,” afirmou Guillermo Foscarini, diretor corporativo da Divisão de Corporativos do BID Invest. “O setor privado é crucial para gerar mais impacto na região amazônica e o BID Invest está totalmente comprometido em apoiá-lo, fortalecendo instrumentos financeiros inovadores e atraindo mais capital para um crescimento sustentável e inclusivo. Até o momento, o BID Invest apoiou 41 emissões de títulos rotulados na região, totalizando US$3,6 bilhões arrecadados por nossos clientes.”

 

O processo de due diligence realizado pela IFC e pelo BID Invest é extremamente rigoroso, garantindo a conformidade com padrões internacionais de sustentabilidade e ética. “Essas instituições realizam uma avaliação meticulosa, examinando tanto nossas políticas internas quanto externas, além de nossos compromissos e práticas. Eles nos comparam com os altos padrões do Grupo Banco Mundial em aspectos críticos como condições de trabalho e práticas ambientais. Apenas empresas que satisfazem esses critérios exigentes são elegíveis para receber financiamento,” explica Vilas Boas.

 

A escolha pela emissão de debêntures se deve ao histórico da companhia com este instrumento e ao relacionamento consolidado com os investidores no mercado local brasileiro. “Esta já é a nossa 13ª emissão e entendemos que este instrumento tem boa aceitação por parte dos investidores, além de trazer a flexibilidade necessária para a companhia. É o mais próximo de um instrumento de mercado comparável com um bond internacional,” explica a executiva da Natura.

Fonte: Assessoria