logo paraiba total
logo paraiba total
Foto: Secretaria-Geral

Participação dos pequenos negócios nas compras governamentais foi de R$ 42 bi

Décio Lima e Geraldo Alckmin reforçaram a importância de viabilizar este ambiente de negócios para fomentar a criação de emprego e renda no país na abertura do Transformar Juntos

10 de julho de 2024

O presidente do Sebrae Nacional, Décio Lima, defendeu, hoje (9), uma “visibilidade diferenciada” às micro e pequenas empresas, com uma maior participação desse segmento nas compras públicas governamentais, durante a cerimônia de abertura do Transformar Juntos. Dados do governo federal mostram que as vendas dos pequenos negócios para o setor público alcançaram o valor de R$ 42 bilhões em 2023, valor que representa 25% do total das compras governamentais.

 

As MPE representam 60% dos fornecedores do governo, sendo a maior participação de microempresas (38,44%), seguida por empresas de pequeno porte (28,24%) e outros portes (33,32%). “Precisamos ampliar participação das micro e pequenas empresas nas compras públicas, entender a economia local e criar facilidades para que o empreendedor possa vender para a prefeitura rapidamente. Nós temos que dar uma visibilidade diferenciada aos pequenos negócios, porque é este setor que gera milhões de empregos na economia e que permite a renda para o povo brasileiro. Aqui está a solução, a oportunidade e a possibilidade de um Brasil de todos os brasileiros, sem fome, sem miséria”, destacou Décio Lima.

 

O presidente do Sebrae também comemorou os resultados alcançados pelos programas da instituição voltados à ampliação do mercado das compras públicas para as micro e pequenas empresas. “Já realizamos mais de 34 milhões de atendimentos junto a gestores públicos e donos de pequenos negócios. O Cidade Empreendedora, uma dessas iniciativas, já está presente em 2.400 municípios brasileiros, nas 27 unidades da Federação”, acrescentou.

 

Geraldo Alckmin, presidente da República em exercício, compartilhou sua experiência, enquanto governador de São Paulo, ao estimular as compras governamentais. “Comprar do pequeno estimula, faz a economia crescer. Cooperativismo é importante: o pequeno se associa e passa a ter escala, compra melhor, vende melhor, agrega valor. O Sebrae é fundamental, porque tem expertise para ajudar a economia crescer”, ressaltou.

 

Para Alckmin, o Transformar Juntos demonstra sua importância ao trazer, para o centro do debate, alternativas para criação de emprego e renda. “Estamos unindo aqui os municípios, o Sebrae, que é uma experiencia exitosa, uma das melhores instituições brasileiras, o governo e a sociedade civil para estimular emprego e renda”, salientou.

 

O presidente em exercício também lembrou de programas de incentivo, como o Brasil Mais Produtivo, o programa Acredita (que conta com o fundo de aval do Sebrae), e o Desenrola para pequenos negócios, com a renegociação de dívidas que já alcançou mais de R$ 2,5 bilhões.

 

Também presente no evento, o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, fez um panorama da empregabilidade no país. “O governo tem a missão de anunciar todo mês o número de empregos formais, através do Caged, então registro aqui a gratidão às pequenas empresas e ao conjunto empresarial brasileiro”, comentou.

 

De acordo com levantamento feito pelo Sebrae, a partir dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), os pequenos negócios foram responsáveis, no acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, pela geração de seis em cada dez novos empregos criados na economia do país. Esse segmento gerou aproximadamente 655 mil novos postos de trabalho, em um universo de pouco mais de 1 milhão de vagas abertas entre janeiro e maio de 2024.

 

Já o ministro do turismo, Celso Sabino, salientou números positivos do setor, como por exemplo os 8% do PIB brasileiro. “Seguimos firmes para alcançar os dois dígitos, sabendo que essa atividade emprega dezenas de milhares de pessoas em todo o país e é uma indústria limpa, sem chaminé”, ressaltou o ministro.

 

Ele ainda fez uma “profecia pautada em números” de que o país vai bater o recorde, neste ano, de turistas estrangeiros visitando o Brasil. Segundo ele, somente nos primeiros quatro meses do ano, já foram mais de 3,2 milhões de turistas estrangeiros. Até então, o maior número de visitantes de outros países que havia sido registrado foi de 6,3 milhões, em 2019.

 

“O Sebrae tem nos ajudado nas ações internacionais e nacionais com o reconhecimento de que quase a totalidade dos empreendedores da indústria do turismo é de micro e pequenos empreendedores”, acrescentou Sabino.

 

Para o presidente da Frente Parlamentar Mista das Micro e Pequenas Empresas, deputado Helder Salomão (PT-ES), o Transformar Juntos é a “iniciativa que compõe a agenda mais importante e estratégica dos pequenos negócios”. “É possível que cada município encontre sua própria vocação para o desenvolvimento, sempre olhando para os empreendedores como aqueles que podem e vão fazer as cidades crescerem”, avaliou.

 

Ele reforçou que o evento é uma oportunidade de gestores públicos discutirem alternativas para transformar os problemas em oportunidades e as oportunidades em desenvolvimento, geração de emprego e renda. “Por isso, o Sebrae tem papel estratégico ao promover este evento que é, ao mesmo tempo, uma iniciativa que gera oportunidade e desenvolvimento para as cidades brasileiras.”

 

O evento

 

O Transformar Juntos é uma iniciativa do Sebrae que reúne mais de 2 mil gestores públicos municipais, promovendo debates e compartilhamento de experiências, com o objetivo de simplificar o ambiente de negócios para as micro e pequenas empresas, favorecendo as compras públicas.

 

Até quinta-feira (11), o Sebrae promove debates para inspirar gestores públicos na construção de caminhos para o desenvolvimento econômico e social dos seus municípios. Para isso, a programação inclui uma série de atividades que abordam temas como Compras Públicas de micro e pequenas empresas; Simplificação do ambiente de negócios; Estímulo às economias portadoras de futuro com ações de Turismo; Sustentabilidade; Economia Criativa; Inovação e Energia; além da necessidade de expansão da Educação Empreendedora no país. Serão mais de 50 atividades ao longo dos três dias de evento.

Fonte: ANS